segunda-feira, 4 de abril de 2011

Sucker Punch - Mundo Surreal

É muito provável que você encontre um excesso de imagens ilustrando este post, se comparado com minhas outras resenhas. O motivo é simples: Sucker Punch me fisgou pelo visual, e todos sabem, uma imagem fala mais que mil palavras!

O visual foi a isca perfeita, mas não é tudo que o primeiro longa auoral de Zack Snyder oferece. Babydoll (Emily Browning, a Violet de Desventuras em Série) é confinada em um hospício por seu ambicioso padastro (Gerard Plunkett), que de tão malvado ainda paga um "extra", para realizarem uma lobotomia na garota. Tendo apenas cinco dias até que o médico responsável pelo procedimento (John Hamm) chegue, a garota cria um mundo fantasioso e nele um plano para escapar. Com a ajuda de quatro amigas, Rocket (Jena Malone), Sweet Pea (Abbie Cornish), Amber (Jamie Chung), e Blondie (Vanessa Hudgens), vai coletar os itens que vão possibilitar sua fuga.

A ação se passa em 6 mundos diferentes. O mundo real, onde o cinza e a palidez dos personagens toma conta e de onde nos despedimos assim que possível. O bordel, estilo Moulin Rouge onde Baby projeta sua fuga. E os campos de batalha onde vão executar seu plano, uma versão estilizada da Primeira Guerra, o Japão feudal, uma fantasia medieval, e um futuro tecnológico. Todos bem distintos visualmente, pode-se dizer que do ponto de vista da produção de arte são filmes diferentes.

Emoldurados por números musicais, essas missões em outro mundo são embaladas por uma musica caprichada, que potencializa a ação e emoção das batalhas, muitas delas versões de músicas conhecidas. Existem ainda faixas interpretadas por Browning,Oscar Isaac (que interpreta o enfermeiro-chefe do hospício/diretor do bordél) e Carla Gugino (Madam Gorsk,i psicóloga/coreógrafa do bordéu).

As cenas de ação, já seguem um estilo característico do diretor. Ângulos inusitados e muita, muita câmera lenta. É provavel que se fossem exibidas em velocidade normal o filme perdesse cerca de 30 minutos de sua projeção.

Garotas em roupas justas empunhando armas, e realizando números de dança (que só vão estar disponíveis na íntegra em DVD), o tornam um filme "para meninos". Muitas pessoas diriam machista, entretanto ao mesmo tempo que o diretor coloca seus fetiches na tela (as roupas das moças revela,estereótipos da fantasia masculina, colegial, enfermeira, empregada francesa...), também dá a elas as armas, coragem e atitudes necessárias para chutar os traseiros de quem ousar chama-las de mocinhas. Puro Girl Power!

Fruto legítimo da era das referências em que vivemos, é aqui que se encontra a maior diversão do longa. Encontrar referências não apenas entre os mundos, real, bordel e campos de batalha, mas também oriundas da cultural pop mundial. Dragões, orcs, samurais, filmes de guerra, bombas a serem desarmadas, musicais e até meca-zumbis, tem de tudo em Sucker Punch. Para quem curte, um ou mais gêneros, ou mesmo cultura pop em geral é diversão na certa. Entretanto, o mais curiosos é perceber que o primeiro longa original de Snyder, talvez tenha mais referências que seus longas anteriores, (A Lenda dos Guardiões, Watchmen - O Filme, 300, Madrugada dos Mortos) todos refilmagens ou adaptações, juntos.

Sucker Punch - Mundo Surreal (Sucker Punch)
EUA/Canadá - 2011 - 110 min.
Ação / Fantasia / Ficção científica

2 comentários:

Giselle de Almeida disse...

Mentira que essa garota é a de Desventuras em série! Sabia que ela não me era estranha, mas não ia lembrar nunca! Ela ficou muito esquisita loura.

Achei o filme muito de menino mesmo, misturando os fetiches masculinos com cenas de ação que mais pareciam inspiradas em videogames. Definitivamente não gosto do estilo de Zack Snyder. E o que é aquele número musical no fim, sem pé nem cabeça? Mas sou obrigada a reconhecer que a sequência de abertura é uma das melhores que eu vi recentemente. Única coisa realmente boa do filme.

Fabiane Bastos disse...

É! Ela gosta de filmes estranhos, o que é bom, já que ela foi a primeira escolha p/ mocinha de Crepúsculo, e recusou. Viu q menina ajuizada!

O número musical,são as danças das moças no bordel misturadas(afinal os caras maus não estavam assistindo as cenas "video-game"). Só de maldade Snyder filmou, promoveu as danças, deixou os meninos na secura e resolveu colocar os números inteiros só na versaõ p/ dvd. kkk

Eu gosto da misturada pop que ele faz, essa coisa de misturar, mangá, video-game, etc. Fui ver mesmo, na secura pelo visual, estava deslumbrante. A seqüência inicial é a melhor mesmo.

Eita que essa resposta ficou maior q o post!

 
Copyright © 2014 Ah! E por falar nisso... • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top