segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Orphan Black - 5ª temporada

É hora de se despedir das sestras! Orphan Black surpreendeu a todos com a atuação de Tatiana Maslany, mas com o passar do tempo a trama científica cresceu demais. Encerrar tudo o que começou é o maior desafio da série na quinta e última temporada.

O ano anterior terminou eliminando tramas paralelas anteriores e focando na Neolution, empreendimento responsáveis pelos clones. Além de elevar Rachel Duncan (Maslany), única clone que cresceu ciente de sua condição, ao status de vilã maior da trama. Mas logo nos primeiros minutos a história dá um passo atrás revelando que há uma figura maior por trás das escolhas da clone malvada. O criador da Neolution P.T. Westmoreland (Stephen McHattie).

Uma figura que demora a aparecer fisicamente, e quando o faz entrega pouco. Mal desenvolvido, todo o mistério em relação à sua identidade não leva à trama a lugar nenhum. Assim como a relação entre eles e as cientistas Susan Duncan (Rosemary Dunsmore) e Virginia Coady (Kyra Harper), responsáveis respectivamente por Leda e Castor se define por longos diálogos expositivos. Não é a melhor maneiras de oferecer as explicações que respondem muitos pontos da história e estão situadas no passado. Junto com Westmoreland , a comunidade Revival e uma caça ao monstro na ilha apenas arrastam ainda mais a história.

Infelizmente a série parece ter esquecido o que aprendeu na temporada anterior: a graça da série está no relacionamento das clones e sua luta por sobrevivência e para descobrir quem são. As novas subtramas incluídas neste ano rouba tempo de tela dos personagens com que realmente nos importamos, e tem pouco tempo para ser desenvolvidas. O resultado é uma trama corrida e o desaparecimento de algumas clones e até de Felix (Jordan Gavaris) em alguns episódios. Também não há tempo para contar os conflitos de Kira (Skyler Wexler). A garota que tem uma ligação misteriosa - que permanece inexplicada - com as clones, começa a se interessar por sua origem e habilidades, mas pouco pode descobrir em apenas algumas cenas.

Quando termina de explicar as origens e começa a encerrar os arcos de suas protagonistas, a série abandona o passo arrastado, fica mais dinâmica e até corrida em alguns momentos. Trazendo de volta os personagens desaparecidos e incluindo todos eles no desfecho que começa com o sequestro de Helena e termina com esperança para todas as Ledas.

Mas o destaque da produção ainda é a interpretação de Maslany e suas múltiplas personagens, embora não haja adições aos clube dos clones este ano. Mesmo afastada por alguns episódios Helena continua roubando a cena. Enquanto Alison (e Donnie) perdem espaço e a responsabilidade do alívio cômico para a esteticista Krystall. Mais saudável, Cosima tem mais tempo em tela, embora volte a cair nos dilemas de relacionamento que paralisam a personagem. Rachel tem seus traumas e atitudes explicados em seu caminho de redenção. Enquanto Sarah continua a ser a cola que une todas.

Entre os personagens que não são interpretados por Maslany, Shioban (Maria Doyle Kennedy) ainda soa pouco verossímil, com suas habilidades e contatos convenientes a situação. Os rapazes do projeto Castor (Ari Millen) ganham desfechos burocráticos. Felix, outro favorito do público, perde espaço de tela. Charlotte (Cynthia Galant) parece negligenciada pelas setras mais velhas. Enquanto o policial Arthur (Kevin Hanchard) parece deslocado da trama principal até se tornar essencial nos últimos instantes.

Orphan Black entrega uma última temporada com um início arrastado, e algumas escolhas burocráticas de roteiro, mas com um final bem escrito. Consegue fechar todas as pontas soltas e oferecer um final satisfatório para o clube dos clones. Encerrando os dilemas científicos e focando da humanidade de suas personagens. O final mais honesto para os espectadores que vão sentir falta das sestras, mas as deixam com a sensação boa de que Sarah, Helena, Cosima, Alison e cia tem uma boa e longa vida pela frente.


Todas as cinco temporadas de Orphan Black, com dez episódios cada, estão disponíveis na Netflix! Leia mais sobre a série das setras!

0 comentários:

 
Copyright © 2014 Ah! E por falar nisso... • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top