quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Star Trek: Sem Fronteiras

Após duas aventuras sem se distanciar muito da Terra com sua nave de última geração, em Star Trek: Sem Fronteiras, finalmente encontramos a USS Enterprise no terceiro ano de sua primeira missão de 5 anos desvendando o universo. Até então tudo vai bem com, missões estelares rotineiras (se é que isso existe), a tripulação estreitou ainda mais suas relações pessoais, começa a sentir falta de casa, e para alguns até uma espécie de tédio.

Um pedido de socorro resgata Capitão Kirk (Chris Pine) e companhia do "marasmo", levando os de encontro ao vilão Krall (Idris Elba) em um planeta desconhecido. Curiosamente, apesar de ser a primeira aventura desta nova geração longe do planeta Terra, é nesta que a trama se passa mais tempo em "terra firme".

Com um roteiro co-escrito por Doug Jung e Simon Pegg (que está em cena como Montgomery Scott), o filme abre espaço para os outros personagens e diminui o foco do bromance Kirk-Spock, que dominou os filmes anteriores. A escolha é acertada, pois assim há chance de desenvolver outros personagens pouco aproveitados até então.

Assim conhecemos a família de Sulu (John Cho), e consequentemente sua orientação sexual. A homenagem ao seu intérprete original, gay e ativista das causas LGBT, George Takei (que aparentemente não entendeu muito a intenção) foi alardeada pela imprensa, mas no filme é incluída de forma orgânica sem exagerar no teor da mensagem. O universo Star Trek é diverso, e a homossexualidade é uma parte natural dele. Essa informação, não muda nem define o personagem que acompanhamos,  há dois filmes na pele de Cho. Muito menos a versão original de Takei, que pertence à universo alternativo.

E por falar em diversidade, outra personagem feminina é apresentada, Jaylah (Sofia Boutella, de Kingsman: Serviço Secreto). A guerreira vem diminuir o peso sobre os ombros de Uhura (Zoe Saldana), única personagem feminina de peso até então. Uma solitária de personalidade forte, a personagem pode até não ser muito original, mas é uma escolha infinitamente melhor que a loira Carol Marcus (Alice Eve) do longa anterior.

Enquanto isso outros personagens, divididos em duplas, constroem novas relações. Assim, descobrimos a química entre Magro “Bones” (Karl Urban) e Spock (Zachary Quinto), pode ser tão eficiente, e até mais divertida que a tradicional relação de opostos entre o capitão e o vulcano.

Kirk se vira bem na companhia de Checkov (Anton Yelchin), na participação de maior destaque do tripulante de sotaque engraçado até então. Embora não proposital, a valorização do personagem, não deixa de ser uma digna homenagem, e triste despedida à seu intérprete morto recentemente em um acidente.

A homenagem bem elaborada, é a feita para Leonard Nimoy. O intérprete original de Spock teve participações especiais nos filmes anteriores, e aqui tem sua "trama" encerrada.

Acredite ou não, tudo isso fica bem distribuído em meio a muitas, e longas sequencias de ação. Batalhas no espaço, fugas, explosões, lutas corpo-a-corpo, camisas vermelhas sendo descartadas, o ritmo é acelerado, mas não desenfreado. O novo diretor Justin Lin (da franquia Velozes e Furiosos), equilibra de forma eficiente a adrenalina em meio à clássica trama do bem contra o mal.

O único grande porém fica com a maquiagem do vilão de Idris Elba. O personagem muda ao longo do filme. E apesar da maquiagem bem feita, as alterações constantes podem confundir os desatentos. Além de limitar a atuação de seu excelente interprete.

Disponível em 3D e Imax, tecnologias quase sempre eficientes quando o cenário é o espaço, Star Trek: Sem Fronteiras, supera seu antecessor Além da Escuridão, com um episódio simples, divertido e cheio de ação. Episódico sim, afinal essa é a pegada da série de TV na qual a franquia nasceu. E tendo este episódio bem desenvolvido e encerrado, a tripulação está pronta para a aventura seguinte. Ainda em direção audaciosa para onde ninguém jamais esteve, e claro, para uma nova sequência.

Star Trek: Sem Fronteiras (Star Trek Beyond)
EUA - 2016 - 123min
Ação / Aventura / Ficção científica

0 comentários:

 
Copyright © 2014 Ah! E por falar nisso... • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top