terça-feira, 28 de julho de 2015

Pixels

É altamente provável que você tenha sentimentos conflituosos em relação a Pixels desde o trailer. Uma premissa interessante, videogames dos anos de 1980 invadem o mundo real. Direção de um nome familiar da Sessão da Tarde, Chris Columbus. Um elenco que traz Peter Dinklage e Josh Gad. E ao mesmo tempo, é um filme do Adam Sandler onde Kevin James é o presidente dos Estados Unidos.

Em 1982 a Nasa, enviou ao espaço um satélite com informações da Terra, para possíveis civilizações distantes, entre os dados disponíveis estavam a competição de vídeo-games daquele ano. Em 2015 finalmente descobrimos que alguém recebeu a mensagem. E entendeu muito errado! É assim que os alienígenas resolvem atacar a terra com batalhas semelhantes às dos jogos de fliperama. Claro, Sam Brenner (Adam Sandler), Eddie Plant (Peter Dinklage) e Ludlow Lamonsoff (Josh Gad), melhores jogadores de 1982 são a única esperança da humanidade.

É na criativa invasão alienígena que se encontra a maior qualidade do longa. Como se o fator nostalgia não fosse atrativo suficiente, a produção acerta ao trazer a vida os antigos games de forma criativa. Assim, as ruas de Nova York se tornam o labirinto de um enorme Pacman, enquanto Tetris encontram seu encaixe (com o perdão do trocadilho), na interação com prédios de verdade. Tudo isso produzido de forma impecável pelos efeitos especiais, que apresentam batalhas realistas e deslumbrantes que valem o 3D valer à pena.

Já o ponto fraco reside nos caricatos personagens, e a visão comercial confusa que Hollywood tenta criar para os nerds. Will Cooper (Kevin James) era nerd de fliperama, e agora é presidente dos Estados Unidos. O mais bobo, infantil e equivocado presidente que qualquer nação já teve. Ele ainda mantém contato com seu parceiro de games, looser na vida adulta Sam Brenner (Sandler). Este por sua vez conhece acidentalmente, minutos antes da batalha começar a mocinha inatingível (até o fim do longa claro), que por acaso é a Tenente-coronel Violet Van Patten (Michelle Monaghan).

Completam o grande rival gamer da infância, Eddie Plant (Peter "Tyrion" Dinklage, clara e caricaturamente se divertindo com seu "bad boy nerd"). E Ludlow Lamonsoff (Josh "Olaf" Gad, também se esforçando), o nerd estereotipado, de sexualidade duvidosa, e capacidade intelectual confusa, responsáveis pela maior parte do humor pastelão. Uma vez que Sandler e James, amenizaram suas atuações histriônicas e piadas escatológicas.

A amenização de Sandler e James, é um ponto positivo, mas não o suficiente para equilibrar as o roteiro oscilante. Divertido e criativo durante as intervenções alienígenas, mas que volta à comédia que usa bebidas e piadas sobre higiene bucal, no necessário intervalo entre elas. O problema não são as pausas na ação, mas o mau uso do necessário "respiro" entre elas. Difícil entender porque as forças armadas e os chefes de estado estão celebrando em uma festa regada a cerveja, se ainda há batalhas a serem travadas. Fica evidente, é só para fazer piadas com tequila!


A pontuação final deste longo jogo de fliperama, é uma Sessão da Tarde, para toda a família. Sim, as novas gerações regadas a GTA e God of War, vão curtir mesmo não aproveitando a parte nostálgica. Um longa com bons efeitos especiais, e ação inteligente, na qual os mocinhos não estão à altura dos interessantes vilões. Fazer o que?! Vários desses vilões eram heróis da infância de muita gente!

Pixels
2015 - EUA - 106min
Aventura, Ficção científica


Leia mais resenhas de filmes de Adam Sandler.

0 comentários:

 
Copyright © 2014 Ah! E por falar nisso... • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top