sábado, 16 de maio de 2015

Fovever - 1ª (e única) temporada

Então, quando aquela série que você estava curtindo começa realmente a engrenar sai o temido anúncio de cancelamento, não haverá novas temporadas. Sem final. O que você faz? Se conforma e parte pra outra? Se revolta e faz um abaixo assinado? No caso de Forever, ainda é possível fazer, ou se frustar, com a infame piada sobre o fim de ima série intitulada "para sempre".


Entretanto, "para sempre" em questão é sobre a vida do Dr. Henry Morgan (Ioan Gruffudd, o Sr. Fantástico de Quarteto Fantástico). Henry era médico em um navio negreiro quando morreu pela primeira vez, aos 35 anos, 200 anos atrás. Desde então, ele continua a ressuscitar não importa a forma como morra, e consequentemente fica obcecado em estudar a morte.

Atualmente é um médico forense da cidade de Nova York, que evita pessoas, mas acaba acidentalmente virando parceiro da detetive Jo Martínez (Alana De La Garza - Law & Order). Seu filho adotivo Abe (Judd Hirsch) de 75 anos é o único que conhece seu segredo. Já no laboratório forense a ajuda vem do avoado assistente Lucas Wan (Joel David Moore, estagiário forense em Bones).

A trama se divide entre o mistério da condição de Henry e o tradicional assassinato da semana. Some-se aí, a busca pela mãe de Abe, e esposa do protagonista desde o fim da segunda guerra desaparecida nos anos de 1980. O medo de ser descoberto como imortal por aqueles que o cercam. Interesses amorosos dos protagonistas. E a descoberta de um outro imortal.

Adam (Burn Gorman), aparece pelo meio da temporada, alega ter mais de 2000 anos. Persegue Henry desde que descobriu a "semelhança" entre eles e, é claro, não é exatamente uma pessoa amigável.


Bem produzida e com um elenco entrosado, a série conseguiu equilibrar bem os casos procedurais, os flashbacks e o antagonismo entre Henry e Adam. De fato, essas características são o diferencial desta série em comparação aos vários "CSIs" e similares. Também chamam atenção a qualidade dos flashbacks.  Bem produzidos, acertam em recriar desde o século XIX, até a década de 1980. Um mérito, considerando o orçamento de série de TV.

Acertadamente esta primeira temporada segue desenvolvendo mesmo os personagens coadjuvantes. Descobrimos mais sobre Abe, e é desvendado o mistério do desaparecimento de sua mãe. A detetive Jo Martínez supera o luto pelo marido, o que conta com a participação especial de Cuba Gooding Jr. O clímax da temporada é um embate ente os imortais, e a possível exposição de sua condição. Possivel, pois é exatamente aí que a série termina, em um gancho para uma segunda temporada que não existirá.

Apesar de gerar opiniões mistas entre os críticos. A recepção do público foi uma das melhores da "Fall Season" de 2014. Prova disso, foi a reação de surpresa e indignação do fãs, que ainda estão protestando. Tentando ressucitar Henry mais uma vez. Esta blogueira concorda, Forever ainda tinha potencial. Não era o hit da semana que você corre para assistir, e mais ainda para fugir dos spoilers. Mas era aquela série de hábito, que traz boas histórias semanalmente, e que você vai sentir falta. Cultura aliais, que o Netflix e download de séries está matando, mas isso é assunto p/ outro post.


Ás vezes a "arte imita a arte", e parece que o "pra sempre, sempre acaba"! Entretanto há quem ainda não desistiu, se você é um deles assine o abaixo assinado pelo resgate de Forever. A série era transmitida pela Warner.

Leia mais sobre séries e sobre Forever.

0 comentários:

 
Copyright © 2014 Ah! E por falar nisso... • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top