segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Última Viagem a Vegas

Vendido como um Se Beber não Case da terceira idade, Última Viagem a Vegas passa longe do exagero absurdo e das piadas escatológicas da franquia liderada por Bradley Cooper. Mais pé no chão e com consciência de que tem um elenco que dispensa artifícios apelativos o filme abraça as lições de moral e o tom piegas das comédias românticas.

O solteirão convicto Billy (Michael Douglas) vai se casar, com uma mulher com metade de sua idade. Mas, não antes de se reunir com os amigos de infância Paddy (Robert De Niro), Archie (Morgan Freeman) e Sam (Kevin Kline) para uma quase tradicional despedida de solteiro em Las Vegas. Digo quase tradicional, porque geralmente o noivo e seus padrinhos não são sexagenários.

Ao invés de bebedeiras, prostitutas e prejuízo nos cassinos, o grupo de festeiros tem outras preocupações. Superar o luto pela perda da esposa, reacender a chama do casamento, lidar com a super-proteção dos filhos, o preconceito dos outros visitantes da cidade do pecado e claro o eminente fim da vida, entre outros clichês da terceira idade.

O elenco bem que tenta, e faz um ótimo trabalho tentando tornar o roteiro divertido. Mas nem o melhor ator do mundo faz milagre se as piadas não são tão legais quanto deveriam. Ou pior, se fazem você se perguntar porque diabos está vendo um cara de tanguinha dançar na cara do Robert DeNiro? 

As gargalhadas exageradas de outras pessoas na sala também não ajudam muito se você não tem riso solto. Rir mais alto não vai fazer a piada ganhar graça, o que só irrita quem não consegue entender do que eles estão gargalhando. O que me faz questionar o poder da sugestão: estou vendo uma comédia, então tenho que chorar de rir? Mas isso é assunto para outro post.

De volta à  Última Viagem a Vegas, sim as piadas são batidas e o final previsível, mas você se importa em continuar. O motivo? Douglas, De Niro,  Freeman e Kline se divertido em papeis despretensiosos que conseguem executar de olhos vendados. Apenas por este ótimo elenco, que ainda conta com Mary Steenburgen, é um longa curioso. Entretanto, uma sessão é mais que suficiente. Só espero que não se torne uma franquia, com ultimas viagens do grupo à diversos cartões postais pelo mundo à fora.

Última Viagem a Vegas (Last Vegas)
EUA - 2013 - 105min
Comédia

4 comentários:

Hugo disse...

Ainda não vi o filme, mas pelo trailer a impressão que fica é bem semelhante a sua resenha.

Sobre as pessoas com riso fácil no cinema, acredito que se encaixa no caso de não ser diferente da maioria. Seu questionamento é correto, muitas acreditam que seja obrigação rir em comédia, mesmo que as piadas não tenham graça alguma.

Não faz muito tempo fui a uma peça de teatro chamado "Toc-Toc", que ficou em cartaz por muito tempo em SP, em que as pessoas choravam de rir com as piadas que eram basicamente palavrões e nada mais.

Abraço

Fabiane Bastos disse...

Também não entendo muito a graça que as pessoas encontram em palavrões e outros ruídos. Deve mesmo haver um poder de sugestão aí!

Quanto ao filme, vale apenas pelo elenco.

Obrigada pela visita!

Paulo Cesar disse...

Não fui ver esperando qualquer outra coisa. Faz tempo que percebi que não há mais como contruir numa língua que interesse a alguém. Se eles fizesem isso 20 ou 30 anos atrás, faria sentido, com algumas mudanças. Mas o que constróia a possibilidade de um bom roteiro é a cultura de base; quando ela não existe o roteirista tem um leque de tranqueiras pra colocar , fazer um pacote, selar com as fotos dos caras que ja´fizeram tanta coisa boa mas ,mas, não mais.
Lembre ao Michael Douglas em Sindrome da China, Wall Street, etc; lembre do De Niro nos filmes produzidos pelo lutador produtos de Taxi Driver, entre muitos outros , Morgan Freeman dá vida a Conduzindo Missa Dayse, Seven e muita coisa mais. Mas agora, as crianças não aprendem ler e imaginar. Aprendem a ver coisas. Todos os demais sentidos são embotados em troca de um para de olhos .Daí não rola a cultura que precisa de palavras, fatos, entrelaçamentos, etc. Não gostei dos filmes. Fui ver a decadência dos caras. Finalmente , para mim, tudo em Las vegas Está no filme Despedida em Las vegas, com Nicholas cAge e Elizabeth Shue. Depois daquilo o resto , somando com Casino, deixa de ser válido. SE não viu CAsino e Despedida, procure na Amazon. VAl, de fato a grana para por os olhos nessas duas produções.

Fabiane Bastos disse...

Ponto de vista interessante.
Obrigada pela visita!

 
Copyright © 2014 Ah! E por falar nisso... • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top