quinta-feira, 26 de julho de 2012

Chernobyl

Quando esses personagens de filme de terror vão deixar de ser tão burros? Essa é a coisa em que mais pensamos durante os 90 minutos de duração de Chernobyl. Filme do gênero que até tenta manter o suspense sobre sua trama, mas logo no poster já revela qual será sua "grande ameaça". (confere aí, no poster ao lado)

Seis jovens encontram um guia que promete levá-los por algumas horas à Pripyat. Cidade onde moravam operários que trabalhavam na usina nuclear de Chernobyl, onde, em 1996, aconteceu um acidente que segundo o governo soviético, deixou cerca de 15 mil mortos. E toda a região inabitável devido aos altos índices de radiação. (Momento aula de história. Viu? Sempre é possível aprender algo.)

O grupo se depara com a cidade fechada para manutenção. Mas, como são "espertos", dão um jeitinho para não perder o passeio. Entram na cidade às escondidas e se depara com a "misteriosa" ameaça. Daí em diante segue a cartinha explorada à exaustão por filmes do gênero.

Com a trama sustentada pelo fato de seus personagens sempre fazerem a pior escolha possível (sério? que acham boa ideia entrar em uma cidade radioativa fechada pra manutenção?). O desfecho não é dos mais difíceis de avinhar, a única dúvida é quando e como os eventos vão acontecer. E como será apresentada a ameaça. Esta até tem um argumento legal, e cria uma origem alternativa para um monstro já conhecido, mas mal explorado e executado perde todo o potencial que poderia ser.

E por falar nisso, é claro, que nunca realmente vemos à ameaça, que está sempre escondida pela ausência de luz, e a frenética câmera na mão. Forma nada inovadora de tentar criar uma tensão que não se sustenta, seja pela forma como é utilizado, seja pela ausência de carisma dos personagens. Se nem eles se importam com sua segurança e embarcam sem pensar em uma furada óbvia,  porque eu tenho que me preocupar?

As locações escolhidas (quando às vemos já que grande parte da história se passa a noite) são o ponto forte  do longa. Grandes, amplas e desoladas até cria uma certa dúvida: será que gravaram mesmo em Pripyat? Entretanto, basta refletir um pouquinho para perceber que, mesmo quando já abertas à visitação turística, geralmente só é permitido permanecer em áreas radioativas por algumas horas. Tempo insuficiente para rodar um longa metragem.

Como passatempo ou curiosidade é aceitável. Mas, assim como o intelecto de seus personagens, não se deve esperar tanto de Chernobyl. Se estiver procurando ameaças mais críveis qualquer episódio de The Walking Dead faz melhor. (ops! Spoiler)

Chernobyl (Chernobyl Diaries)
EUA, 2012, 90min
Terror

0 comentários:

 
Copyright © 2014 Ah! E por falar nisso... • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top