quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

A Invenção de Hugo Cabret

Não. O menino Hugo Cabret não inventa nada, mas o equivoco do título nacional oriundo do livro de Brian Selznick curiosamente se encaixa bem com o cinema inventivo que o longa homenageia.

Desde a morte do pai relojoeiro, Hugo (Asa Butterfield) vive nos "bastidores" da estação de trem de Paris, ajustando seus relógios. Trabalho que herdou do tio bêbado, do pai (Jude Law em ponta de luxo) herdou a habilidade com pequenas engrenagens e um misterioso autômato (robô em forma humana), que tenta desesperadamente consertar. Para tal furta peças da loja de brinquedos da estação, até que um dia é pego pelo dono, o velho senhor Georges (Ben Kingsley), e precisa pagar o prejuizo que causou. Convivendo com George, e sua afilhada Isabelle (Chloë Moretz), acaba descobrindo o caminho para para desvendar o seu, e outros, mistérios.

Uma aula de cinema para os não inciados, e uma delícia em detalhes para aqueles que conhecem um pouco da história da sétima arte, uma vez que o dono na loja de brinquedos é na verdade George Meilés. Pioneiro do cinema, que não apenas é devidamente apresentado para os leigos, com trechos de seus filmes, originais e reproduzidos pelo elenco de Scorcese. Mas também recebe a homenagem que a história não dera. O verdadeiro Meliés morreu no anonimato e a maioria dos seus 500 filmes foi derretida para virar solas de sapato. Scorcese acrescenta aqui a mensagem sobre a importância da preservação da arte.

Diante do deslumbrante mistério que é George Meliés, a saga do protagonista parece menos importante do que deveria ser. E os trechos da sua vida na estação, em que Hugo observa o mundo através dos relógios, por vezes nos fazem questionar, por que os estamos assistindo isso? Cenas cotidianas de relacionamentos, trens indo e vindo. Então me lembrei (ou melhor o diretor nos lembra, já que isto também aparece no filme), da Chegada do Trem à Estação, primeiro filme da história produzido pelos irmãos Lumiere.

Os inventores do cinema, estavam mais interessados na técnica do movimento, achavam que o cinema era coisa passageira, e filmavam apenas cenas do cotidiano. Enquanto Meliés, na mesma época, descobriu a capacidade de se criar sonhos através da câmera. Quanto mais presente é sua figura na trama, menos vemos dessas cenas cotidianas, vistas de longe. Até que certo ponto nos aproximamos dessas personagens apenas para observar o desfecho de suas histórias antes do filme terminar e seu protagonista trocar a fumaça da estação, pelas cores de Meliés definitivamente.

E por falar em cores, não era preciso ganhar tantos Oscars técnicos (5 no total), para que o detalhismo da fotografia e produção de arte se faça notar. Com cenários gigantescos, reprodução de época impecável e mesmo no tratamento da cor que muda entre o cenário cotidiano da estação, e o mundo mágico do cinema. O 3D bem utilizado, torna tudo mais espetacular e deslumbrante, além de fazer mais uma referência a evolução da sétima arte.

Sem deixar de mencionar, claro, a supra-cidata surpresa que é Scorcese fazendo filmes para crianças, e sua estréia em 3D. Recheado de mensagens, intencionais ou não, com detalhismo impressionante e até mesmo um pouco de didatismo (o be-a-bá do cinema), As Invenções de Hugo Cabret ainda consegue ser encantador para crianças e adultos, a máquina de sonhos que Meliés descobriu. É verdade Hugo não inventa nada, mas a essa altura, quem se importa?

A Invenção de Hugo Cabret (Hugo)
EUA - 2011 - 126 minutos
Aventura / Drama

0 comentários:

 
Copyright © 2014 Ah! E por falar nisso... • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top