segunda-feira, 29 de março de 2010

A Coisa Mais Injusta Sobre a Vida

Revendo O Curioso Caso de Benjamim Button sábado a noite, não pude evitar lembrar de um texto de Charles Chaplin que li no blog .LOT SATORU.

Nosso maior problema em relação a Chaplin é sua figura marcante e sua importância para o cinema, as vezes nos faz esquecer que ele também era um pensador, escritor, compositor...

Mais próximo de um testamento que de um artigo, a ideia de como deveria ser a vida segundo Charles Chaplin, resume bem o tema do filme de 2008, e aquela frase que  nosso avós costumam dizer "Ah! Se naquele tempo eu soubesse o que sei hoje".
 
"A coisa mais injusta sobre a vida é a maneira como ela termina. Eu acho que o verdadeiro ciclo da vida está todo de trás pra frente. Nós deveríamos morrer primeiro, nos livrar logo disso. Daí viver num asilo, até ser chutado pra fora de lá por estar muito novo. Ganhar um relógio de ouro e ir trabalhar. Então você trabalha 40 anos até ficar novo o bastante pra poder aproveitar sua aposentadoria. Aí você curte tudo, bebe bastante álcool, faz festas e se prepara pra faculdade.

Você vai pro colégio, tem várias namoradas, vira criança, não tem nenhuma responsabilidade, se torna um bebezinho de colo, volta pro útero da mãe, passa seus últimos nove meses de vida flutuando....E termina tudo com um ótimo orgasmo!!! Não seria perfeito?"

Charlie Chaplin
 
O Conto de F. Scott Fitzgerald, que inspirou o filme foi publicado pela primeira vez em maio de 1922. Infelizmente, não consegui descobrir a data do texto de Chaplin, logo não posso evitar pensar: quem se inspirou em quem? Ou será possível que por pura e simples coincidência, duas pessoas tenham tido a mesma idéia brilhante?

No final isso nem importa tanto, pois quem ganha somos nós que podemos desfrutar do legado desses dois!

9 comentários:

Daniel Caetano disse...

Ótima associação.
E ótima conclusão... Pra mim, realmente não importa.
Eu não teria expressado melhor o que penso. :)

.Lot Satoru disse...

Os dois são muito perfeitos. Conversando com uma amiga minha outro dia ela disse que esse texto traz angústia para ela... morrer quando se é bebê parece ser uma idéia de angústia para ela... mas eu não penso assim... concordo com Chaplin, pois é no início de nosso modo de vida atual que temos mais energia que sempre e eu particularmente não consigo imaginar um jeito melhor de morrer do que "curtindo a vida" de forma adolescente.

.Lot Satoru

P.S.: Isso não quer dizer que eu quero morrer jovem!

Fabiane Bastos disse...

Obrigada Caetano. Bom saber que pensamos parecido.

Acho que sua amiga fica pensando em bebês mortos por isso a angústia. Lembra a ela que o texto não diz que morremos no fim, apenas que terminamos em um orgasmo.
Ótimo texto, onde encontrou???

.Lot Satoru disse...

Um colega meu me ligou do nada e mandou eu procurar uma comunidade no orkut chamada: A vida segundo Charlie Chaplin... ele disse que eu ia amar e tal, então eu procurei, li... e realmente amei!

Você já leu (ou viu o vídeo) de "O Menestrel" de William Shakespeare?! Se sim, o que achou?! Se não, veja o vídeo e leia, é o meu primeiro post ou é só procurar no youtube. Depois me fala o que você achou!

Fabiane Bastos disse...

Opa! Ja tô indo lá no seu blog ler.

Valeu pela dica!

Visconde/Marlene disse...

OLá, penso que de certa forma nos tornamos crianças ao envelhecer, quero dizer, quando tomamos consciência de que o futuro é ilusório e o que importa é viver o momento deixando aquela criança que estava adormecida desabrochar.

Beijão!!!

Fabiane Bastos disse...

E cada vez a frase "Ah! Se naquela idade eu soubesse o que sei agora..." faz mais sentido.

Obrigada, Visconde/Marlene.
Volte sempre!

Giselle de Almeida disse...

Esse texto do Chapline é ótimo, realmente seria perfeito se a vida fosse assim... A melancolia do filme é que Benjamin Button é o único a ter a vida ao contrário, por isso, é tão solitário. E, no fim da vida (que seria também um começo), ele não tem consciência de que está sendo cuidado pela mulher que o ama... Ou seja, tem que valer pra todo mundo!

Fabiane Bastos disse...

Ótimo assim que descobrirmos como, abriremos o movimento torne-se Button, e geral vai curtir essa vida!

 
Copyright © 2014 Ah! E por falar nisso... • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top