sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Feliz 2011

Neste último post de 2010, nada de listas, memes ou retrospectivas (Ei! Essa ultima nunca fiz!). Vou apenas pegar carona nas comemorações de outro blog do qual participo, o DVD, Sofá e Pipoca, e publicar aqui um vídeo que relembra todos os clássicos que vimos esse ano.

Você reconhece todos? Tenho orgulho de dizer: eu consigo!

Feliz 2011!
Leia Mais ››

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Princesas decaídas: Cinderela

Vida de princesa não é fácil! Antes ela tinha uma casa para arrumar, comida para fazer, roupas para cozer. Mesmo com a ajuda de ratinhos e passarinhos era muito trabalho, sua vida tinha um objetivo: servir! Agora casada, cheia de criados para fazer o trabalho por ela e com animais que podem trazer doenças banidos do castelo, e o cartão de crédito estourado em uma loja de sapatos, a mais famosa das princesas passa seus dias afogando as mágoas!

Preciso de um hobbie!

  • E o príncipe, por onde anda? Minhas "irmonstras" ao menos me ditraíam. Ele vive reclamando de meu vício em sapatos!


Outras princesas no mundo real
Chapéuzinho Vermelho
Branca de Neve
Jasmin
Bela (a da Fera)
Bela Adormecida

Imagem encontrada à deriva na rede, autor desconhecido. É você? Sabe quem as fez? Me conte!
Leia Mais ››

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Tron - O Legado

No ano de 1982, Tron - Uma Odisséia Eletrônica, foi o primeiro longa a usar computação gráfica em larga escala, para tornar real o mundo dentro dos computadores. E apesar de inovar a sétima arte atualmente é desconhecido do grande público.

Atualmente o uso de computação gráfica em longas, não apenas deixou de ser novidade, como chegou a um nível de realismo interminável para os espectadores de 1982. O cinema está passando por uma onda de "remakes" oitentistas, logo o cenário é mais perfeito para reinventar Tron.

Tron - O Legado, começa sete anos após aventura original, Kevin Flynn (Jeff Bridges) é o bilhonário dono da Encom e conta orgulhoso para seu filho suas aventuras em Tron. Horas depois o bilionário desaparece, sem seu comando a postura da empresa muda, e o jovem Sam Flynn (Garrett Hedlund) cresce rebelde ignorando suas reponsabilidades como maior acionista da empresa, e aprontado com a diretoria da Encom sempre que pode. Vinte anos após o desaparecimento, uma pista sobre o paradeiro de Flynn faz com que Sam volte ao antigo escritório de seu pai, e sem querer encontra o caminho para a "Grade", o mundo dentro dos computadores.

Muito neon (chamam de fluor hoje em dia, né!), curvas e fluidez, visualmente Tron é lindo! O visual é impecável independente da tecnologia em que se assista 2 ou 3D. Ainda bem pois o 3D escasso deixa a desejar. Logo no início da projeção um letreiro avisa, partes do filme são exibidas em 2D, mas deve se assistir com os incômodos óculos durante toda a projeção. Quando dizem partes, não são poucas! Mesmo no mundo dos computadores onde a tecnologia aumentaria o efeito de imersão, muitas cenas são exibidas da forma tradicional. Um conselho, poupe seu dinheiro e assita em uma sala comum mesmo.

A novidade tecnológica da vez é Clu. O vilão tem a aparência de Jeff Bridges do longa de 1982, e é criado totalmete por computação gráfica. No início a estranheza é inevitável, sabemos que aquele não pode ser o Jeff Bridges, muito menos uma pessoa real. Alguns minutos mais tarde esquecemos completamente a sensação. Diferente dos humanos criados por computação anteriormente Clu, não tem os "olhos" vazios de seus antecessores, logo é muito mais realista.


Se tem algo que empolga em Tron é a trilha sonora! Com musicas de Daft Punk criadas especialmente para o longa, o concerto eletrônico grandioso completa o visual, e até o supera em algumas cenas. Além de instigar a vontade de dançar em quem está do lado de "cá" da tela. Algumas cenas trazem participações especiais da dupla de música eletrônica.

O ponto fraco da produção é o enredo, que embora é simples, precisava ser melhor cuidado. Muitas perguntas ficam no ar, seqüencias não fazem sentido e o gancho para a continuação é óbvio. Embora não haja certeza de um  próximo filme.

Talvez seja efeito de assistir a terceira Crônica de Nárnia no mesmo dia, mas fiquei encontrando referências bíblicas durante toda a projeção. E Com tanta psicodelia visual, também é difícil evitar pensamentos duplos cada vez que um humano é mencionado como usuário, quando está dentro da rede.

A execeção de Garrett Hedlund, que parece só conhecer expressões faciais e poses de catálogos de moda, o resto do elenco se esforça bastante. Olívia Wide (a Treze, de House) dá vida a elegante Quorra, enquanto Michael Sheen encarna um muito estranho dono de boate.

Inconsistências no roteiro, não ligue para elas! E aproveite o que Tron - O Legado oferece de melhor: um visual incrível combinado com boa música.

Tron - O Legado (Tron Legacy)
EUA - 2010 - 125 min.
Ficção científica
Leia Mais ››

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

A História da Natividade: século XXI

É viciado em redes sociais? Então vai entender a história direitinho.
Feliz Natal! E até o próximo post...

Leia Mais ››

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

As Crônicas de Nárnia: A Viagem do Peregrino da Alvorada

Nárnia chama os irmãos Pevensie novamente, ao menos dois deles. Lúcia (Georgie Henley) e Edmundo (Skandar Keynes) visitam pela terceira vez o reino de Aslan (voz de Lian Neeson), desta vez acompanhados do primo Eustáquio (Will Poulter). Agora eles embarcam no navio real chamado Peregrino da Alvorada, para ajudar o ainda Rei Caspian (passaram se apenas cerca de quatro anos desde a última aventura), a desbravar as distantes ilhas dos mares de Nárnia e encontrar sete lordes e terminar com uma terrivel maldição.

Formado por episódios distintos, é a mudança de cenário a maior novidade da terceira aventura baseada na obra de C. S. Lewis. Em cada ilha visitada pelo navio, novos desafios são impostos as personagens. E novas criaturas são apresentadas. Cáspian (Ben Barnes), Lucia e compania tem de enfrentar, mercadores de escravos, criaturas invisíveis, e até fumaça misteriosa. Fumaça, ilhas mágicas, pensou que Lost era original né!

Longe de Nárnia, no mundo real, a Segunda Guerra está em curso. Pedro (William Moseley) e Suzana (Anna Popplewell), cujo aprendizado/colaboração com o reino de Nárnia terminou na aventura anterior, estão seguindo suas vidas, e assumindo responsabilidades de adultos normais. Enquanto Lúcia e Edmundo passam uma longa temporada com seus tios e o mimado e convencido primo Eustáquio. 

Lúcia se sente feia e sem valor ao se comparar com a irmã mais velha. Já Edmundo, a exemplo de Pedro anteriormente, se recusa a ser tratado como criança, a aceitar que aqui ele não é um rei. Eustáquio odeia os primos, não acredita em fantasia e acha que quem lê contos de fadas, ao invés de livros de "fatos reais" não tem futuro. 

A volta a Nárnia, impõe situações que vão mostrar a Lúcia seu verdadeiro valor. Ajudar a Edmundo a aceitar a vida real e Eustáquio a acreditar na fantasia. Tudo devidamente acompanhado de lições de moral e recheado de metáforas cristãs. O que de forma alguma obriga ao espectador (ou mesmo ao leitor) a perceber a histórias de forma religiosa.

A Viagem do Peregrino da Alvorada, assim como as outras crônicas de Nárnia são aventuras simples e agradáveis de assistir. Como uma brincadeira de faz de conta, basta aceitar que mágica é possível para embarcar na aventura. Neste longa a simplicidade ainda é mais evidente, devido a divisão mais episódica da história.  

As pequenas aventuras que resultam em uma história maior, do qual o longa é composto também tornam possível a insersão de pequenos "clímaxes" durante todo a projeção. Com aventura o tempo todo, é dificil perder o interesse seja você criança ou não. Mas não se engane, o público alvo são os pequenos, o execsso de lições de moral, que podem irritar os mais velhos, é prova disso. Não dá para ser engajado todo o tempo, despretenção também faz parte da aventura e da diversão.

De forma geral, As Crônicas de Nária em páginas ou na tela, além de divertir, são uma ótima iniciação á fantasia para os pequenos. Preparando os para encarar histórias mais complicadas, como O Senhor dos Anéis, sem medo.

A Caminho do Reino de Aslan,
 será o paraíso?
Mais simples, que O Leão a Feiticeira e o Guarda-roupa, que teve a árdua tarefa de apresentar um universo complexo. E menos linear que Principe Cáspian. A Viagem do Peregrino da Alvorada fica entre as duas e encerra com razoável qualidade a passagem dos irmãos Pevensie pela franquia. Caspian e Eustáquio ainda retornariam, mas das quatro crônicas restantes apenas a aventura final, A Ultima Batalha, conta com a aparição de quase todos as personagens. Basta saber se a franquia sobrevive com novos heróis. 

As Crônicas de Nárnia: A Viagem do Peregrino da Alvorada 
(The Chronicles of Narnia: The Voyage of the Dawn Treader)
EUA - 2010 - 115 minutos
Aventura / Fantasia
Leia Mais ››

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Princesas decaídas: Chapéuzinho Vermelho

Ok! Antes que você reclame, eu sei que a Chapéuzinho não é uma princesa. Entretendo, a guria que não saía de casa sem seu gorro vermelho também tem seu lugar reservado no panteão dos contos de fada. E como a imagem ficou tão divertida como a de suas colegas da realeza, ela merece um espacinho.

Filme de cabeceira "Super Size Me"
  • Na era do fast-food os lanchinhos levados pela menina, para sua vovó, não são lá muito saudáveis. Eu teria pena da saúde da boa velinha se não desconfiasse que após a longa caminhada pelo bosque a cesta chegará vazia.

Outras princesas no mundo real
Branca de Neve
Jasmin
Bela (a da Fera)
Bela Adormecida

Imagem encontrada à deriva na rede, autor desconhecido. É você? Sabe quem as fez? Me conte!
Leia Mais ››

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Lois, a mãe da Lois!

Smallville, me curei completamente desse vício graças ao SBT que, para variar, parou de exibir a série por volta da 7ª temporada (a gatonet local não tem Warner, vergonha!). Entretanto admito, até eu já estava enjoada da série que já não era do "superboy" a muito tempo. Até kriptonianos crescem minha gente!

Sempre preferi as versões para TV do homem de aço, à suas encarnações no cinema (predileção que só fui entender depois que Bill esclareceu algumas coisas, momentos antes da Noiva tirar sua vida. Mas isso é assunto para outro post, valeu Bill!). Logo é de se imaginar: cresci assistindo à encarnação anterior do super-herói na TV. Lois & Clark ainda é uma de minhas séries favoritas.

Você deve estar se perguntando porque fico rodeando e divagando sobre o cara que veste a cueca por cima das calças. Eu tenho um propósito, prometo! Mesmo não acompanhando mais episódio-a-episódio, volta e meia agente lê algo sobre aquela série que abandonou (é, trabalhar o desapego é um trabalho àrduo e de longo prazo).  

Foi lendo que descobri uma surpersa para os fãs de Lois & Clark:  Terry Hatcher (a Lois do seriado dos anos 1990) fazendo uma participação especial como mãe da Lois (Erica Durance).



Smallville está em sua 10ª e ultima temporada. E pelo visto está aproveitando para fazer o maior numero de homenages, e trazer várias participações especiais para terminar com estilo! 
Leia Mais ››

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Princesas decaídas: Branca de Neve

O Principe da Branca de Neve foi o que menos teve trabalho para conquistar sua donzela, bastou uma bitoca (em algumas versões nem isso ele fez). Enquanto a moça teve que arrumar a bagunça de sete em troca de casa e comida. Já deu para imaginar o resultado dessa combinação.
Onde estariam nossas princesas favoritas nos dias de hoje?

Me livrei dos sete anões, e agora, o que faço com meus sete filhos?

  • Primeiro foi a madrasta, depois os anões, agora é o "Encantado" que usufrui das habilidades domésticas de Branca. Esta por sua vez gostou tanto de cuidar de pessoas menores que ela, que não demorou para arranjar uma penca de pimpolhos!

Outras princesas no mundo real
Bela (a da Fera)
Leia Mais ››

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Megamente

O que Lex Luthor faria se de repente não precisasse mais se preocupar com o Super-homem evitando o sucesso de seus planos malignos? Convenhamos grande parte do trabalho dos vilões, além de tentar conquistar o mundo, e descobrir um jeito de evitar que os heróis atrapalhem seus planos. O protagonista da a nova animação da Dreamworks não podem nem ser chamado de anti-herói. Ele é o vilão mesmo! Desses que dedicam parte da vida a combater um herói.

Megamente (voz de Will Ferrel) foi colocado , ainda bebê (azul e cabeçudo), em uma nave a caminho da Terra quando seu sistema solar estava prestes a ser destruído. Assim como outro menino de um planeta vizinho. Infelizmente as circunstâncias em que nosso planeta acolheu os dois foram bastante diferentes. Em um exemplo perfeito de que o meio faz o homem, as oportunidades da vida tornam o menino azul de cabeção anormalmente grande vira o vilão. Enquanto o outro menino de dentes brilhantes, bochecha rosada e um belo topete se torna o herói de Metrocity.

A vida dos dois se resume na constante disputa entre o bem e o mal. O que inclui fugas e planos de conquista do mundo mirabolantes, atos e poses heróicas, muitas "frases de efeito", o sequestro e resgate da repórter (de TV) Rosane Rocha (Tina Fey), e claro, resultado favorável ao time do bem. O jogo muda quando Megamente finalmente vence a disputa, eliminado seu concorrente. Depois de dominar a cidade e conseguir tudo que sempre quis, ele fica sem objetivo.Uma crise depressiva mais tarde, ele resolve fazer o que for preciso para encontrar um novo combatente e recriar seus dias "sem glória", mas com muita diversão.

Enqanto a Disney passa boas mensagens, a Dreamworks se especializou em desconstruir o convencional. Logo, desde Shrek não é dovidade brincar com antigas histórias e abusar das referências para isso. O que, deforma alguma, torna o longa menos divertido.A descostrução de universos virou moda e corre o risco de ficar repetitivo. Entretanto, o roteiro de Megamente, é ágil e tão inteligênte quanto seu protagonista cabeçudo.
O alvo aqui é o universo dos super-heróis, principalmente o mais famoso deles. As referências ao Supe-homem estão por toda parte da chegada de Megamente e Metro Man (o herói, com voz de Brad Pitt), até sua recorrente vítima repórter, mas estão longe de ser as únicas. Enquanto os pequenos se divertem com as piadas, os adultos vão se deliciar com as referências, cuja pouca idade os impedem de conhecer. Espalhadas por todo canto, vão de Barack Obama ao Sr. Miyagi.

Para completar o pacote, uma trilha sonora que completa a história. Músicas de Guns n' Roses a Michael Jackson, deixam muito marmanjo na vontade de comprar o CD, além de oferecer o estilo grandioso que todo vião merece. Inteligênte, cheio de charme e estilo (vide Lá Mama Negra!) é assim que todo vilão deveria ser!

(Megamente) Megamind
EUA , 2010 - 96 min.
Animação / Comédia
Leia Mais ››

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Princesas decaídas: Jasmin (Aladin)

Segundo a Wikipédia Aladin é um rapaz que nasceu na região do Afeganistão. Basta assistir o noticiário de vez em quando para imaginar a situação na qual Jasmin, sua princesa, vive atualmente.
Onde estariam nossam princesam favoritam nos dias de hoje?

    Ainda bem que essa princesa não curte vestidos de festa!
  • De que lado será que ela luta? Seja qual for ela devia levar o tigre. Se o Aladim emprestar a lâmpada então...
    Princesa Jasmin engajada na conquista de "um mundo ideal"!


Bela Adomecida  e Bela (a da Fera) no mundo real.
Leia Mais ››

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

The Walking Dead


É isso?! Acabou?! Só em Outubro de 2011 agora? Será que aguento?

O final de temporada que suscitou tantas perguntas a esta blogueira que vos escreve, fez com que 8,1 milhões de estadunidenses parassem em frente a TV no ultimo domingo. Seis milhões só na primeira exibição (o canal exibe uma reprise no fim da noite.

Mas não se engane com as as perguntas. O final da temporada de The Walking Dead está longe de ser frustante como o episódio derradeiro de Lost. As perguntas são na verdade resultado de um trabalho bem feito e altamente viciante.


Baseado na HQ de Robert Kirkman, que no Brasil ganhou o título de Os Mortos-Vivos, a versão para a TV começou com cenas chocantes (garotinha zumbi logo de cara!), e com uma narrativa um tanto familiar homem em coma acorda e encontra uma cidade totalmente deserta e muitos cadáveres no caminho (Extermínio de Danny Boyle?!). A sensação de "déjà vu" passa assim que vemos o primeiro zumbi em cena (e nem chega a ser um inteiro!). O cineasta Frank Darabont aproveitou o tempo de sobra que uma série de TV possibilita (diferente das duas horas de um longa-metragem), e com o ritmo, estética de cinema conta a história do mundo pós-apocalíptico zumbi de um jeito que deixaria qualquer fã, e mesmo o George Romero orgulhoso.

Aos poucos, entendemos a ameaça. Barulho alto atrai os zumbis. É preciso destruir o cérebro para extermina-los. Pode-se encarar um ou dois, mas em grande número são perigosos. Nos percebem pelo cheiro. Irnformações não muito novas, mas muito bem distribuídas, e usadas na trama e pelos personagens.

Embora o grande atrativo sejam os comedores de carne, a história não é sobre os mortos-vivos. Aliais, filmes de zumbis nunca são sobre eles. São sempre sobre as pessoas que sobram, sua luta pela vida, a beleza e feiúra da natureza humana. Desespero, brigas, atitudes impensadas, atos altruísticos, solidariedade, está tudo em cena. Tudo junto e misturado, compondo as diversas reações que podemos ter em situações extremas pela sobrevivência. 

Nos (apenas) seis epsódios de The Walking Dead, acompanhamos o tal cara em coma mencionado anteriormente. Em assistente de xerife que depois de entender o que aconteceu com o mundo, se empenha em uma busca pela mulher e filho. E mais tarde lidera a sobrevivência do grupo ao qual se uniu. E mesmo que os vivos sejam a parte mais interessante dessa equação, antes do fim ainda entendemos um pouco de como o cérebro de um morto-vivo funciona, e como o mundo reagiu a eles. Notou que não mencionei nomes? Realmente não consegui decorar, para mim os personagens eram, o xerife, a esposa, o amigo...

Ainda não entendemos como o mundo acabou, e nem deixamos nossas personagens em segurança. Estão a salvo, por hora. (Horas mesmo, as noites são perigosas por lá!). Deixando um prato cheio de possibilidades para a, já confirmada, segunda temporada prevista para outubro de 2011. 

O único porém dessa temporada foi a exibição da Fox que, além dos intermináveis intervalos comerciais,  privou alguns expectadores do audio original. E reduziu o episódio piloto original de 90 minutos, para uma versão de 54 minutos. Aparentemente a emissora voltou atrás e promete iniciar a reprise da temporada com a "versão do diretor", na próxima terça.

Quem diria! Enquanto dezenas de séries tentam ser a "nova Lost", a melhor novidade do ano veio de um gênero criado em 1968.
Não é que eles tem nome, eh... menos os zumbis né!
Leia Mais ››

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

A Rede Social

Brasileiros são viciados no Orkut, mas no resto do mundo quem impera é o Facebook, "criado" por Mark Zuckerberg um gênio da informática em, em 2004, quando estava seu segundo ano em Harvard. E quando digo gênio, é sério!

Logo na primeira cena, nos vemos perdidos na verborragia cerebral do estudante, ao ponto de olhar assustados para cadeira ao lado - só eu que não entendi nada?. A preocupação logo passa, não somos os únicos. A própria namorada de Zuckerberg, não compreende metade do que ele diz, se irrita com a velocidade da conversa e com a obsessão do namorado pelas exclusivíssimas fraternidades universitárias. O resultado é um fora muito bem dado.

Já ouviu o ditado cuidado com a fúria de uma mulher rejeitada? Acredite ou não o conselho pode ser aplicado a nerds, especialmente aqueles com um Q.I. elevado, habilidade em programação e um computador com internet disponível. De cara cheia,  totalmente arrasado, e alguns posts rancorosos em seu blog depois,  Mark resolve fazer algo mais produtivo. Ele invade as redes das universidades e cria um site que coloca as estudantes em um ranking de beleza. E que duas horas depois derruba o servidor de Harvard, com nada menos que 22 mil acessos.

A façanha lhe rendeu um interrogatório da faculdade e a atenção dos também estudantes, os gêmeos Cameron e Tyler Winklevoss e Divya Narenda que convidam Mark para ser programador de um site de relacionamento de Harvard. Ele topa, e logo depois começa a evitar o trio. Meses mais tarde abre o "TheFacebook" com a ajuda do amigo brasileiro Eduardo Saverin. Que também é jogado para escanteio, quando Sean Parker, criador do falecido Napster, entra em cena e lhe apresenta os prazeres da vida desregrada.

O filme, baseado no livro Bilionários por acaso, de Ben Mezrich, apresenta a história da criação da rede de relacionamento a partir dos dois processos que Zuckerberg enfrentou. Um pelo roubo da idéia dos irmãos Winklevoss e Narenda. E outro por reduzir a participação de Saverin no capital do Facebook. Curiosamente, fala mais da incapacidade social de Zuckerberg que de sua habilidade de conectar pessoas.

Aceitação, popularidade e sucesso é o que Mark busca o tempo todo. "Não me aceitam em seu clube, então crio um só para mim! Se rolar uma grana no processo, é lucro". Nada retrata melhor a primeira década do novo milênio, quando temos cada vez mais amigos virtuais que nos conhecem a fundo, e estamos mais distantes dos amigos de verdade. E quando acredita-se que "criar" um trabalho seja melhor ou mais fácil que encontrar um. Empreendedorismo puro!

Fincher (O Curioso Caso de Benjamin Button), escolheu a dedo, quem deveria posar para esse retrato dos nossos tempos. O verdadeiro Mark Zuckerberg, que me perdoe, mas ele corre o risco de ser eclipsado pela versão de Jesse Eisenberg, que embora mais caricata é impressionantemente realista. Andrew Garfield (que além de ter um nome engraçado, também é o próximo Homem-aranha), se faz presente e faz com que compremos sua briga. Diferente dos Winklevoss (Armie Harmer, dá vida aos dois,embora o corpo de Tyler pertença a outro ator, Josh Pence), pomposos, esnobes, e sincronizados parecem mais a versão de Harverd de Fred e George Weasley, impossível não tirar os achar divertidos e imediatamente torcer contra.

Entretanto nada supera a escalação de Justin Timberlake como Sean Parker, criador do Napster, site que embora falido redefiniu o comportamento a indústria fonográfica. A atuação não é tarefa difícil, já que Parker é um canastrão e Timberlake também. A parte divertida é escalar um astro pop para dar vida aquele que foi o maior pesadelo para as vendas de CDs.

Na minha humilde opinião um dos melhores filmes, e personagens do ano. No final das contas o gênio não é, mal caráter ele apenas tira do caminho todos que possam atrapalhar o sucesso de sua criação. Você não entende tudo o que Mark Zuckerberg fala, discorda do que ele faz durante quase todo o filme, e mesmo assim não consegue desviar a atenção da tela.

A Rede Social (The Social Network)
EUA - 2010 - 120 minutos
Drama
Leia Mais ››

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Em Novembro no DVD, Sofá e Pipoca


No penúltimo mês do projeto para formar cinéfilas melhores, conhecemos a 8ª maravilha do mundo, descobrimos o cinema Noir, tentamos entender os incompreendidos e viajamos em uma romântica, porém sofrida embarcação.


Estamos reta final do DVD, Sofá e Pipoca. Faltam apenas quatro dos 50 filmes de nossa lista. Começamos este ultimo mês cinéfilo com Rástros de Ódio.



King Kong


A Morte Num Beijo


Os Incompreendidos


O Atalante


3 blogueiras, 1 desafio: 50 filmes clássicos a serem vistos e comentados durante um ano. Será que dão conta? DVD, sofá e pipoca, um projeto para formar cinéfilas melhores!
Leia Mais ››

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Princesas decaídas: Bela (a da Fera)

Outra realidade triste do mundo fora dos contos de fada: a beleza é passageira, mesmo que seu nome seja Bela.
Onde estariam nossam princesam favoritam nos dias de hoje?

Ainda "Bela", mas não tão natural!
  • Apesar de amar uma Fera, no mundo real a protagonista de A Bela e a Fera não conseguiria conviver com o fato que sua beleza pode durar apenas no nome.

Bela Adomecida no mundo real.
Leia Mais ››

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Revendo conceitos

Durante uma reprise de Arnold, em uma tarde qualquer, me deparei com uma cena inusitada. Arnold (Gary Coleman) havia aprontado, e seria castigado. Willis (Todd Bridges), seu irmão mais velho, resolveu aplicar o castigo, já que era o único parente de sangue. (os dois garotos foram adotados pelo rico Sr. Drumont - Conrad Bain -, após a morte da mãe). Na cena seguinte assistimos ao menino levar umas palmadas dada pelo irmão. Tarefa que o mais velho, apesar de ter se oferecido, não gostou de cumprir. A mensagem do epsódio: "aplicar disciplina" é tarefa para o chefe da família.

Como assim???
Uma criança apanhando na TV, sem que a cena tenha o intuito de afirmar que pancada não educa? Taí, uma coisa que hoje em dia só vemos em Os Simpsons (escreva os nomes Homer e Bart no Google, a primeira imagem que aparece é de violência infantil).


Nossa! Como a TV mudou. Muita coisa, antes comum agora não mostra, ou mesmo menciona na telinha. E olha que foram apenas algumas palmadas, não uma surra. Lembrei que as coelhadas da Mônica no Cebolinha foram substituídas por onomatopéias, nos quadrinhos e nos desenhos animados. E que os padrinhos mágicos quando visitaram uma versão de "Tom e Jerry", colocavam a cabeça na frente de cada cena violenta e esclamavam: "não fazemos mais desenhos assim!". Nem mesmo o Cris, seriado atual cuja história se passa nos anos de 1980 apanha (dos adultos) na nossa frente.

É fato, a não ser pelos desenhos de combate, ou por motivos altruísticos, excluimos violência explícita dos programas infantis. As intenções sãos as melhores, mas a questão é: quem assiste TV também mudou? Só porque a Cady nunca apanhou ao aprontar em Eu a Patroa e as Crianças, não quer dizer que palmadas não sejam mais usadas como forma de corretivo, ou mesmo que seu uso tenha diminuído do outro lado da telinha. Entre crianças e pais por aqui ainda vejo muito essa prática.

Para mim fica a dúvida: banir certos comportamentos na TV ajudam a aboli-los também em casa?
Leia Mais ››

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Disney - 50 longas animados

Juro que não foi de propósito que fiz um post sobre princesas na ultima quarta-feira, mas as vezes o universo conspira a favor. Estréia hoje nos Estados Unidos Enrolados (Tangled), o longa de animação nº 50 da Disney.

Para comemorar a data o estúdio do camundongo lançou um vídeo que enumera os 50 filmes. Incluindo animação tradicional e os mais recentes feitos por computação gráfica, mas nenhum em parceria com a Pixar

Enrolados relembra a história de Rapunzel, e deve estrear no Brasil em 7 de Janeiro de 2011. Nada mais apropriado para comemorar os 50 longas, que a compania de uma nova princesa, afinal tudo começou com uma!

De Branca de Neve (1939) à  Enrolados (2010), você conhece todos?


Branca de Neve e os Sete Anões, Pinóquio, Fantasia, Dumbo, Bambi, Alô, Aamigos, Você já foi à Bahia?, Musica Maestro, Como é bom se divertir, As Aventuras de Ichabod e Sr. Sapo, Cinderela, Alice no País das Maravilhas, Peter Pan, A Dama e o Vagabundo, 101 Dálmatas, A Espada Era a Lei, Mogli - O menino lobo, Aristogatas, Robin Hood, Puff, o Ursinho Guloso, Bernardo e Bianca, O Cão e a Raposa, O Caldeirão Mágico, As Peripércias do Ratinho Detetive, Oliver e sua Turma, A Pequena Sereia, Bernardo e Bianca na Terra dos Cangurus, A Bela e a Fera, Aladin, Rei Leão, Pocahontas, O Corcunda de Notre Dame, Hércules, Mulan, Tarzan, Fantasia 2000, Dinossauro, A Nova Onda do Imperador, Atlantis, Lilo & Stitch, O Planeta do Tesouro, Irmão Urso, Nem que a Vaca Tussa, O Galinho Chicken Little, A Familia do Futuro, Bolt, A Princesa e o Sapo, Enrolados.


Leia mais sobre, Disney, Princesas e Príncipes
Leia Mais ››

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Princesas decaídas: Bela Adormecida

Contos de fadas, todas as garotas passam a infância (ou deveriam) ouvindo essas histórias. Os meninos também ouvem, mas gostam (ou fingem) menos. Infelizmente agente cresce e descobre o mundo não é um conto de fadas!

Quando o peso da realidade cai sobre nosso ombros agente deixa a fantasia de lado e encara. Entretanto, volta e meia nos perguntamos: onde estaria nossa princesa favorita nos dias de hoje? Algum tempo atrás mostrei as princesas, na versão Halloween. Agora é a vez da versão mundo real em uma série de posts, que começam com Bela Adormecida.

Pobre Filipe, o beijo não funcionou? Da próxima tente um dedal.
  • Já que o beijo não funcionou, o jeito é esperar que se passem os 100 anos da maldição. Agora falta pouco. Tomara que a princesa não tenha preconceito de idade!


Imagem encontrada à deriva na rede, autor desconhecido. É você? Sabe quem as fez? Me conte!
Leia Mais ››

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte I

Fidelidade. Harry Potter  e as Relíquias da Morte oferece aos fãs da saga o detalhismo pelo qual eles imploravam. É claro que ainda ouvimos alguns fãs mais fervorosos resmungando - "a camisa de Harry devia se mais vermelha" - ou similares. Entretanto depois de uma década acompanhando as aventuras imaginadas por Rowling nos cinemas a grande maioria entendeu, que livro é uma coisa e filme é outra!

Dumbledore está morto e Harry,sempre acompanhado por Ron e/ou Hermione, precisa terminar seu trabalho, encontrar todas as partes da alma de Voldermort e destruí-las. Enquanto o resto do mundo tenta sobreviver aos desaparecimentos, interrogatórios e invasões realizados pelos seguidores do Lorde das Trevas, que conseguiram se infiltrar no Ministério da Magia e mesmo em Hogwarts.

Abordando apenas cerca de 60% do livro, o longa tempo de sobra o longa aproveita para explorar o clima de tensão, solidão e, as vezes, até um pouco de desesperança de três adolescentes que precisam deixar tudo e todos para trás e tomar as rédeas de suas mais que complicadas vidas. Um prato cheio para Daniel Radcliffe, Emma Watson e Rupert Grint mostrarem que depois de dez anos interpretando Harry, Hermione e Ron estão confortáveis com suas personagens e aprenderam a atuar. Grint se sai melhor, intercalando momentos dramaticos e sombrios com seus já usual alívio cômico.

Sobra mais tempo também, para os personagens secundários, para observarmos as atividades dos personagens das trevas, e para as histórias paralelas necessárias para o desenvolvimento da trama principal. O que inclui uma cena animada, sobre o Conto dos Três Irmãos, história presente no livro infantil Os Contos de Beedle, o Bardo e com relevânte importância para a trama.

Cenas de ação, embora escassas são de tirar o fôlego e compensam aqueles que não ficam tão confotáveis com as longas cenas em que nada, a não ser a tensão e o tom de urgência, acontece. Referências de todos os livros, devem deliciar os leitores e deixar os não iniciados um pouco perdidos. Nada que não possa ser resolvido com uma pergunta ao seu amigo fã (quem não tem um?). Eles estão sempre dispostos a falar sobre a saga, eu garanto!

O elenco estelar praticamente inalterado, um dos maiores méritos da saga, continua presente . Além de Radcliffe,Watson, e Grint,  ainda enstão no longa, Ralph Fiennes, Tom Felton, Alan Rickman, Helena Bonham Carter, Robbie Coltrane, Timothy Spall, David Thewlis, Maggie Smith, Julie Walters, Mark William, Bonnie Wright, Evanna Lynch, entre outros.

Dividido em duas partes, supostamente para dar o final merecido a saga, a sétima aventura do bruxo só deve termiminar em Junho de 2011.

Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte I (Harry Potter and the Deathly Hallows - Part 1)
EUA / Inglaterra - 2010 - 146 min.
Drama / Fantasia / Suspense

Leia mais sobe Harry Potter.
Leia Mais ››

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Não seja um trouxa!

Sinto informar aos fiéis leitores deste blog (e àqueles que só estão de passagem, também), que não estou muito criativa hoje. Efeito colateral da expectativa criada pela campanha viral de Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte I.

Faltando algumas horas, para o início do fim, tento deixar vocês "na maior vontade", como a blogueira que vos escreve. Abaixo seis cenas do longa que a Warner Bros divulgou na última semana.

Vejo vocês no cinema, e quem faltar é um trouxa!


As cenas: Reunião do mal, sete Harrys, Hary tenta deixar a Toca, o ataque no Café, Hary vs Ron e Xenófilo Lovegood.

Leia mais sobe Harry Potter.
Leia Mais ››

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Velharias do futuro!

Ainda sob o efeito de De Volta para o Futuro, dê uma olhada nessa vitrine. A cena se passa só em 2015, mesmo assim quantos produtos já são considerados, relíquias ou velharias???


TV de tubo, um Mac antigo, um VHS de Tubarão, um boneco de Roger Rabbit, um abajur de lava entre muitas outras velharias relíquias dos anos 1980! A vida imitando a arte? Será que foi intencional? 

Tomara! Minhas alergias não vêem a hora de conhecer o papel repelente de poeira!

See you in the future!
Leia Mais ››

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Enfim, o futuro...

Assistindo novamente a trilogia De Volta para o Futuro este fim de semana (minha comemoraçoa pessoal pela invenção do capacitor de fluxo), não pude deixar de notar, o futuro está aí!

É verdade, ainda vai demorar um tempinho para termos carros voadores, e hoverboards em nossas ruas, mas cinco anos antes da data visitada por Dr. Bown e Marty na parte II da trilogia, muitas das impressionantes invenções do "futuro" já estão presentes em nosso cotidiano. Algumas igualzinhas, outras com diferentes usos e tecnologias, mas com o mesmo resultado.

Videoconferência
Web-cam e banda larga apostos, e qualquer um pode conversar via video-conferência com alguém do outro lado do planeta, ou mesmo no quarto ao lado. No filme a tecnologia substituiu o telefône convencional, o que não aconteceu em "nossa realidade". Entretanto, com tantas funções que nossos celulares tem agregado as duas tecnologias vão se unir logo-logo.

Vários canais na TV
A TV dos McFly, era plana e muito fina, como as atuais LCD, LED e Plasma, e podiam transmitir mais de um canal ao mesmo tempo, coisa que as redistribuidoras de sinal já proporcionam hoje em dia.

Acionados pela voz
Quem nunca babou, ao ver aquela propaganda de ceular, um homem  ao volante apenas falando o nome da pessoa com quem quer falar para que o telefone faça sozinho a ligação em viva-voz. Se telefones podem fazer isso, qualquer aparelho pode, não? No filme tudo pode ser pedido em voz alta, de acender luzes a pegar uma fruta.


Video-óculos
Telas, a cada dia que passam elas ficam mais finas. Apesar de ainda não estar ao alcance do púbico elas já podem ter a espessura de folhas de papel, logo coloca-las em forma de lentes de óculos, não será dificil. Acopladas a aparelhos de pequeno porte como i-pods e celurares podem exibir qualquer coisa.

Video-games sem controle
Não sabemos exatamente como era os video-games em 2015 de Hillvalley, mas sabemos graças ao, então, pequeno Elija "Frodo" Wood que não precisam usar as mãos. Se está falando de um videogame acionado pelo poder da mente, estamos longe. Entretando se está falando de usar não apenas as mãos... o vídeo explica tudo!

Comida re-hidratada 
Ok! Eles tinham um aparelho, parecido com um microondas que transformava um disquinho de massa em uma pizza meio-a-meio. Nós colocamos água quente em um copinho e ... macarrão instantâneo em 1 minuto!

Combustíveis alternativos

Não temos o Sr. Fusão para alimentar os carros, mas temos GNV, Alcool ("peraí"esse é antigo!). Uso de fontes de energias alternativa, e a busca por novas opções mais eficientes não faltam. Em prol de um mundo mais saudavel.  

Leitor Biométrico 
Ainda usamos chaves para entrar em casa, mas a leitura biométrica está presente no cotidiano em outras funções. Não precisamos mais borrar os dedos para colocar digitais em documentos, empresas controlam a entrada e saída de funcionários com as digitais e, pasmem, brasileiros de algumas cidades votaram esse ano identificados por leitura biométrica!


3D nas ruas
Marty está andando na rua quando é atacado pelo tubarão de Spilberg, trata-se de um holograma promovendo o 19º longa do terror dos mares. Não tivemos tantas sequancias de Tubarão assim, mas a tecnologia 3D, que proporcionaria a mesma sensação virou mania não apenas nos cinemas, está invadindo as casas do mundo todo. É uma questão de tempo para abolirmos os óculos e convivermos com a tecnologia até nas ruas.

Pedidos por computador
No 80's Café, fazemos o pedido a um garçon de mentira. Hoje em dia podemos comprar qualquer coisa sem  nenhum contato humano, apenas digitamos o pedido e recebemos o produto em casa. Tenho certeza que em algum lugar por aí existe uma lanchonete no mesmo estilo.

Cadarços automáticos
Você está andando na rua, longe de casa, sem outra alternativa de transporte, cheio de sacolas, é apanhado por uma tempestade e então seu cadarço desamarra. Um dilema, arriscar um tombo e continuar ou arriscar uma gripe, e amarrar o cadarço? Por isso até 2015 teremos cadarços que se amarram sozinhos. O sonho de atolados preguiçosos e criancinhas que ainda não sabem dar nós! Duvida? A Nike já providenciou a patente.

O futuro para por aqui! Ainda não usamos duas gravatas ao mesmo tempo, nem óculos que mais parecem bloquear a visão. Também não temos previsão de roupas auto-secantes, aparelhos levitadores que dão um jeito em sua coluna, carros voadores ou Hoverboards. Mas garanto, não é por falta de tentativa!
Leia Mais ››

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Ataque no café!

Nada como a incrível arte de criar expectativa! Faltando poucas semanas para a estréia de Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte I, vídeos e imagens da produção pipocam em todo lugar. Tudo estratégicamente pensado para deixar cinéfilos, pottermaníacos e simpatizantes na "maior vontade".

Confesso, não estou imune a esta publicidade viral, o ingresso previamente comprado é prova disso. Então para assumir definitivamente o clima, eis uma cena do longa divulgada na semana passada. A cena mostra o ataque dos comensais da morte em um café, e dá uma idéia da ação no sétimo longa da série. 


Dividido em 2 partes,  Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte I, estréia dia 19 de Novembro. Enquanto a Parte II chega apenas em 15 de Julho de 2011.
Leia mais textos sobre Harry Potter.
Leia Mais ››

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Capacitor de fluxo: 55 anos!

Atenção, cinéfilos, fãs de ficção científica e viagens no tempo: neste dia 5 de novembro uma data muito importante deve ser comemorada! Nesta data completam exatos 55 anos da invenção do capacitor de fluxo!
"Bati com a cabeça e desenhei isso!"
Não tem vocação para nerd? Calma eu explico: em 5 de Novembro de 1955 o Dr. Emmett Brown resolveu pendurar um relógio em seu banheiro, escorregou e bateu com a cabeça na pia. Quando acordou teve a visão do capacitor de fluxo, que combinado com 30 anos de pesquisa acabou resultando na invenção da mais popular e funcional maquina do tempo já criada, um DeLorean. E conseqüentemente nas primeiras viagens do tempo, as 1h21 da madrugada de 25 de Outubro de 1985.

Segundo seu criador, o capacitor de fluxo é o que torna possível as viagens no tempo, mas como ele funciona só o Dr. Brown pode responder. Embora eu acredite que não importa o quanto ele explique, nunca realmente entenderemos como aquela caixinha com luzes em forma de "Y", é capaz de nos levar a qualquer época que desejarmos. Vale lembrar que o item precisa de 1.21 gigawatts de energia para funcionar.

O capacitor de fluxo!
Antes que você pense que estou tão perdida quanto Marty McFly em 1885, já vou avisando: eu sei que essa não é uma data comemorativa de verdade, que Dr. Brown é apenas um personagem, e que viagens no tempo (até onde sabemos) ainda não não possíveis. Entretanto meu lado nerd não podia ignorar a data, que também é uma ótima desculpa para fazer uma maratona e rever De Volta para o Futuro.

Com Michael J. Fox e Christopher Lloyd nos papéis principais De Volta para o Futuro (1985) e suas sequencias, parte II  e III (1989 e 1990),  se tornaram  referência em filme sobre viagens no tempo. Um clássico da sessão da tarde nos anos 1990 e fundiu a cabeça de muita gente com seus universos paralelos, inúmeras possibilidades e uma ótima trilha sonora. 

Vou aproveitar a data e fazer minha própria viagem no tempo, assistindo os filmes novamente.

Te vejo no futuro!


Leia Mais ››

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Em Outubro no DVD, Sofá e Pipoca

Iniciamos o mês das crianças com uma bela Aurora. Visitamos uma Terra em Transe e descobrimos a Nouvelle Vague. Conhecemos a história de Charles Foster Kane. Tudo muito bem acompanhado de curiosidades e dados dos filmes.

Novembro começa com a visita da 8ª maravilha do mundo. King Kong visita o blog.


Terra em Transe

3 blogueiras, 1 desafio: 50 filmes clássicos a serem vistos e comentados durante um ano. Será que dão conta? DVD, sofá e pipoca, um projeto para formar cinéfilas melhores!
Leia Mais ››

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Get Your 90's On

Nos ultimos dois meses publiquei aqui no blog 12 posts seguidos sobre livros, mesmo para quem adora ler, pode ser um pouco cansativo. Então essa semana resolvi pegar mais leve. Depois do post de um filme que dispensa grande atividade cerebral para entender, Os Vampiros que se Mordam, resolvi ficar mais nostálgica e postar aqui um dos vídeos que coleciono nos "favoritos" do YouTube.

Get Your 90's On faz uma brincadeira com as lembranças de quem foi criança nos anos de 1990. Objetos da época (alguns voltaram a moda, hein!) e animação stop-motion embalados por uma paródia da música Sexy Back, de Justin Timberlake.

Leia Mais ››

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Os Vampiros que se Mordam

A melhor coisa de Os Vampiros que se Mordam é assistir adolescentes indignadas na poltrona ao lado a cada piada com a saga de Stephenie Meyer. O que ocorre durante todo o filme, já que este besteirol se baseia quase inteiramente na saga Crepúsculo.

A cópia é tamanha que chega a dispensar descrições, mas em todo o caso: Becca (Jenn Proske), chega a nublada cidade de Sporks e logo se interessa por Edward Sullen (Matt Lanter), um rapaz deslocado, misterioso, meio pálido...

Ainda tem espaço para o indio-canino Jacob (Christopher N. Riggi), e os outros personagens abordados da forma mais óbvia e caricarta possível. Lady Gaga, Buffy, a caça-vampiros e Alice (aquela do País das Maravilhas) até dão as caras, mas sua participação é tão pequena que nem dá tempo de esboçarmos um sorriso.

Ícones pops, antigos e atuais a parte, a sátira desperdiça a chance de "zoar" com a síndrome vampiresca pela qual estamos passando. Ela se concentra apenas na saga cinematográfica adolescente. Deixando de lado outros produtos com sugadores de sangue que consumimos atualmente, como Vampire Diaries e True Blod e mesmo os clássicos, aqueles que estão no imaginário coletivo como Conde Drácula.

As brincadeiras com Crepúsculo surpreendem apenas as fãs que, aparentemente, fingem não conhecer as piadas que todos já fazem sobre a saga, e no longa são repetidas a exaustão. Salva-se apenas a perfeita imitação de Bela feita por Jenn Prosk. Irritantemente idêntica!

Piadas previsíveis a ponto de espectadores citarem a frase seguinte antes dos personagens (é, eu fiz isso e em voz alta!). O mal gosto de sempre encontrado nesse tipo de besteirol. E uma pobreza na escolha de referências para as piadas criam a formula perfeita para atrair adolescentes em busca de diversão boba e instantânea. E castigar aqueles que não compraram ingresso antecipado para Tropa de Elite e ficaram sem opção.

Os Vampiros que se Mordam (Vampires Suck)
EUA - 2010 - 86 min.
Comédia
Leia Mais ››
 
Copyright © 2014 Ah! E por falar nisso... • All Rights Reserved.
Template Design by BTDesigner • Powered by Blogger
back to top